Em janeiro de 2021, escrevi: “A humanidade começa 2021 com uma chance real de se afastar da beira da catástrofe da mudança climática”. 

Nos Estados Unidos, o então presidente eleito Joe Biden tinha prometido uma legislação climática ousada em casa e uma liderança climática renovada globalmente. 

Em outros lugares, dezenas de países declararam um “ estado de emergência climática”, enquanto outros, incluindo a China , estavam aumentando os compromissos para reduzir as emissões. 

No mundo dos negócios, bancos e instituições financeiras se comprometiam a se desfazer da energia suja.

Legislação sobre mudanças climáticas travada

Naquele momento, medidas para limitar o aquecimento global a 1,5 ºC – necessárias para afastar os piores impactos climáticos, mas por quatro anos frustradas por um governo dos EUA que nega a emergência do clima – pareciam estar ao alcance.

Em muitos aspectos, 2021 frustrou. 

Os EUA ainda estão esperando por uma legislação climática – desejável por uma questão de ciência e sobrevivência, não de política partidária – que até agora foi travada pela oposição republicana cerrada e pela dissimulação de um único democrata da Virgínia. 

No cenário mundial, a cúpula da COP26 de novembro em Glasgow, Escócia, um momento crítico na luta climática, foi melhor em retórica do que em ação.

As promessas dos países ficaram muito aquém das metas das Nações Unidas, e as questões de justiça para os países em desenvolvimento, que são menos responsáveis ​​pelas mudanças climáticas, mas muitas vezes os primeiros a arcar com seus ônus, foram ignoradas por seus pares mais ricos.

Leia também 

Relatório sobre a COP26 analisa repercussões da conferência da ONU em sete países, incluindo o Brasil

O resultado é que 2021 representa uma oportunidade perdida, mesmo que as consequências físicas das mudanças climáticas se tornem cada vez mais angustiantes e óbvias.

No entanto, a esperança é eterna, ainda que fraca. E os jornalistas têm um papel a desempenhar para que 2022 seja melhor. 

Os líderes da COP26 não reuniram vontade suficiente para atingir a meta de 1,5°C – a cúpula deixou a humanidade no caminho para um desastroso aquecimento de 2,4°C até o final deste século.

Mas uma inclusão tardia no Pacto Climático de Glasgow obriga os países a voltarem à mesa no próximo ano, na COP27 em Sharm el Sheikh, Egito, com planos climáticos aprimorados (enquanto, no Acordo de Paris de 2015, as atualizações só eram esperadas a cada cinco anos). 

Desta forma, a liderança da COP afirmou ter “ mantido 1,5 vivo ”. A responsabilidade será fundamental no futuro, e é aí que entram os jornalistas.

Compromissos climáticos na pauta 

Criticamente, todas as promessas da COP são voluntárias e não vinculativas. 

Essa projeção de 2,4º, na verdade representa o melhor cenário se todos os países seguissem seus planos declarados.

Isso é improvável, dadas as promessas quebradas que marcam a história climática até agora (a retirada dos EUA do acordo de Paris durante o administração Trump sendo apenas um exemplo). 

Como os países integram novos compromissos de redução de emissões em seus programas climáticos domésticos, como planejam avançar esses compromissos a tempo da COP27 em novembro próximo e se esses avanços se enquadram na ciência climática são perguntas importantes que os jornalistas devem fazer nos próximos meses.

Leia também 

COP26 | As imagens e fatos mais marcantes da conferência do clima em Glasgow

A intenção é a parte fácil. Como e se os países executam essa ambição é mais importante – e mais complicado. 

Como em qualquer grande política, a ação climática será caracterizada pela luta; os resultados tendem a divergir da intenção. 

Nos EUA, por exemplo, se os democratas finalmente aprovarem uma legislação climática significativa, grande parte do financiamento resultante será administrado por meio de subsídios federais. 

A competição entre os governos locais será acirrada.

Na verdade, está bem encaminhada em relação ao pacote de infraestrutura de US$ 1,2 trilhão que Biden assinou em novembro – e nos municípios que obtiverem fundos, uma variedade heterogênea de atores governamentais e não governamentais competirá para implementá-los .

Interesses no caminho da solução para mudanças climáticas

Interesses poderosos ao longo do caminho irão tentar atrasar ou se beneficiar da mudança. 

Entretanto, o que tudo isto implica para a redução das emissões, não importa questões importantes de justiça e economia nas comunidades relevantes, podem facilmente se perder. Cabe aos jornalistas em todos os lugares garantirem que isso não aconteça. 

Depois, há a questão da precisão. Atingir 1,5°C ainda é possível, mas isso exigirá, entre outras coisas, uma contabilidade precisa das emissões em todo o mundo. 

A esse respeito, uma investigação pioneira do Washington Post em novembro não inspirou confiança: com base em muitos anos de dados enviados à ONU por 196 países, o Post mostrou que há uma enorme lacuna entre o que os países dizem estar liberando na atmosfera e o que eles realmente emitem. 

Leia também 

5 vitórias da sociedade sobre a indústria de combustíveis fósseis no mundo em 2021

Foto: Paul Alain Hunt/ Unsplash

A lacuna é suficiente para alterar substancialmente o aquecimento global do planeta – e isso significa que os dados em que os países estão baseando suas promessas climáticas são fundamentalmente falhos.

Os jornalistas do Post descobriram que muitos dos dados que os países relataram à ONU estavam incompletos ou claramente imprecisos.

Truques de contabilidade também têm sido comuns: os países podem, por exemplo, subtrair de suas emissões totais o carbono que supostamente é absorvido por terras e florestas dentro de suas fronteiras – mas muitas vezes o fazem erroneamente, alegando níveis estranhos de absorção de carbono ou absorção que é não está acontecendo.

Leia também 

Marcus Gomes, Universidade de Cardiff: Brasil assinou na COP26 o acordo para conter o desmatamento – mas Bolsonaro não é confiável

Responsabilização, missão de todas as redações 

A investigação do Post foi extensa e completa. Para determinar com mais precisão as emissões dos países, a equipe de reportagem construiu um conjunto de dados de abrangência mundial, empregou modelos estatísticos para estimar as emissões onde os dados estavam ausentes e chamou muitos especialistas para ajudar a orientar seus esforços. 

Ainda assim, há muito espaço para jornalistas em redações grandes e pequenas levarem adiante esse trabalho de responsabilização.

“Nossos dados são apenas um ponto de partida, porque podem sugerir discrepâncias, mas você realmente precisa descobrir por que elas existem e o que realmente está acontecendo [nesses países]”, me disse Chris Mooney, repórter do Post.

Leia também 

Cobertura de imprensa massiva ‘desarma’ negacionismo climático e dissolve passividade pública

jornalista cinegrafista mudança climática
Foto: Sean Robbins/Unsplash

Matérias semelhantes também podem ser feitas em redações locais em todo o mundo.

“Saber o que provavelmente passará despercebido… e então obter ajuda científica para analisar o que está acontecendo em seu quintal – esse é o plano”, disse Mooney.

A responsabilidade jornalística por si só não pode necessariamente obrigar os governos a fazer melhor. Em países democráticos, pelo menos, é essencial a pressão pública sobre os líderes para que cumpram e melhorem suas promessas climáticas. 

Mas sejamos realistas: por mais importantes que sejam as políticas de emissões, elas são muito instáveis ​​para se conectar com muitos consumidores de notícias. 

E assim, os jornalistas devem continuar a enfatizar a experiência vivida pelas pessoas da emergência climática – cada vez mais dramática e mortal, à medida que a humanidade se aproxima de 1,5°C – enquanto traça uma conexão clara com as políticas que estão ajudando ou não.

Mudanças climáticas e esperança 

Embora a porta pareça estar se fechando para os 1,5°C, a ciência é clara de que, se a humanidade agir rapidamente para conter as emissões, o aumento da temperatura também cessará rapidamente . 

E as soluções climáticas continuam à mão. “Isso significa que sempre há esperança”, disse Alex Thomson, do Channel 4 no Reino Unido, durante um recente webinar da Covering Climate Now . 

“E a pior coisa que os jornalistas podem fazer é gerar desespero.”

O que quer dizer que em 2022 a esperança deve sustentar todos os nossos esforços jornalísticos, mesmo e especialmente quando responsabilizamos os poderosos.


Andrew McCormick é vice-diretor do CCNow e jornalista independente em Washington, DC.  Suas matérias foram publicadas no  The New York Times, The Atlantic, The Nation e Columbia Journalism Review, entre outras publicações. 


Esta matéria faz parte da Covering Climate Now, uma colaboração de jornalismo global co-fundada pela CJR e The Nation, fortalecendo a cobertura da história climática. 

Leia também

Novo vocabulário do clima: ‘Eco-ansiedade’ e ’emergência climática’ entram para o Dicionário Oxford