Londres – Dois anos depois de ter sido banido das grandes redes sociais sob acusação de ter incitado a invasão do Capitólio, o ex-presidente Donald Trump sinaliza seu retorno ao mundo das Big Techs, que ele tanto criticou e chegou a desdenhar quando lançou sua própria plataforma.

A campanha de Trump à presidência dos EUA enviou esta semana uma carta à Meta, controladora do Facebook e do Instagram, solicitando a reativação de sua conta nas redes sociais, já que o prazo de suspensão era de dois anos. 

O novo dono do Twitter, Elon Musk, já tinha reativado a conta do ex-presidente em novembro, mas ele ainda não a utilizou, motivando especulações de que o motivo seria não enfraquecer a sua rede, a Truth Social.

No entanto, segundo analistas da mídia americana, uma audiência maior nas redes sociais é vital para a tentativa do ex-presidente de voltar ao cargo. Por isso, ele pode deixar seu interesse direto no negócio próprio de lado em nome de uma mobilização maior e de mais oportunidades de arrecadação de fundos para a campanha. 

Na eleições primárias dentro do Partido Republicano, ele vai enfrentar diretamente o governador da Flórida, Ron DeSantis, para conseguir a vaga de candidato e concorrer com o escolhido pelo Partido Democrata em 2024.

Trump está na frente nas pesquisas, mas a campanha ainda não esquentou. E ele vem sendo criticado por não ter feito eventos desde que se anunciou candidato. 

http://

O ex-presidente tinha mais de 87 milhões de seguidores no Twitter e 34 milhões no Facebook quando foi desligado, em janeiro de 2021.

Na Truth Social, tem apenas 4,83 milhões. E usa como fotos de destaque e de perfil as mesmas que estão na conta do Twitter, associando visualmente uma à outra. 

Embora ele tenha esnobado as grandes plataformas quando criou sua própria rede, chegando a dizer que ‘não via razão para voltar’, e prometendo que a Truth Social seria maior do que elas, não foi o que aconteceu na prática.

A rede social teve problemas para decolar e não chega nem perto do público atingido pelas Big Techs. Em setembro passado, a empresa de monitoramento Sense Tower estimou que apenas 92 milhões de usuários haviam baixado o aplicativo da Truth Social. 

A rede americana NBC teve acesso à carta enviada pela campanha de Trump à Meta, pedindo uma reunião “para discutir a pronta reintegração à plataforma”. O argumento é a liberdade de expressão. 

O ex-presidente não falou diretamente sobre planos de retorno às redes sociais de maior audiência, mas fontes ligadas a ele mandaram recados. 

A NBC disse ter conversado com um republicano ligado a Trump, que confirmou a volta ao Twitter, sendo “apenas uma questão de como e quando”. Outra fonte disse que conselheiros de campanha trabalham em ideias para o grande retorno. 

Sua última postagem na rede mais influente no jornalismo e na política é de 8 de janeiro de 2021, dizendo que não iria à posse de Joe Biden. 

A conta havia sido bloqueada no dia 8 de janeiro de 2021, e reativada por decisão de Elon Musk em novembro passado.

O dono do Twitter fez uma enquete entre seus seguidores, que resultou em 51,8% dos votos a favor da reativação da conta de Donald Trump. 

Trump e as redes sociais da Meta 

No caso da Meta, a volta depende de uma decisão da empresa, que prometeu uma resposta ‘nas próximas semanas, de acordo com o processo estabelecido”. 

O bloqueio das contas de Donald Trump nas reds sociais da Meta, em janeiro de 2021 foi inicialmente sem prazo definido. Em seguida, o caso foi levado para análise do Conselho de Supervisão da companhia, formado por especialistas como jornalistas, acadêmicos e legisladores e encarregado de validar ou anular decisões de moderação. 

Em maio, o Conselho emitiu um parecer considerado “em cima do muro”, devolvendo o problema de volta à Meta sob o argumento de que o banimento por tempo indeterminado violava as políticas do Facebook, e que ela deveria determinar um prazo. Mas não julgou o mérito do bloqueio. 

Embora tivesse seis meses para responder, a Meta foi rápida. Em junho de 2021, decretou uma suspensão com prazo determinado, de dois anos, até 7 de janeiro deste ano. 

Ao anunciar a decisão, a empresa disse que avaliaria em conjunto com especialistas se o risco para a segurança pública diminuiu antes de autorizar a volta de Trump. 

No comunicado, a empresa fez a ressalva de que se ainda houvesse riscos, Trump poderia ficar fora das redes sociais por mais tempo. 

E informou que quando a suspensão fosse levantada, haveria um conjunto de sanções que seriam acionadas se o ex-presidente cometesse violações, incluindo a remoção de suas páginas e contas. 

A julgar pelo tom das postagens recentes na Truth Social e discursos na pré-campanha eleitoral, ele não mudou muito o estilo, deixando a Meta na difícil posição de ter que arbitrar o que é risco para segurança pública caso ele volte às redes sociais da empresa. 

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.