Londres – Além de ser encontrado facilmente em shoppings e na propaganda, Papai Noel é um personagem popular nas telas do cinema, imortalizado em filmes há mais de 100 anos. 

O símbolo universal do Natal foi a estrela de clássicos dos tempos áureos de Hollywood como Milagre na Rua 34 a produções irreverentes como Bad Santa, de 2020, em que aparece como um ladrão alcoólatra interpretado por Billy Bob Thornton. 

A trajetória do símbolo do Natal no cinema começou em 1905.

Um curta-metragem produzido pela companhia Thomas Edison e dirigido por Edwin Porter ilustrou um poema publicado pela primeira vez em 1823 e atribuído ao escritor Clement Clarke Moore. 

O filme se chama “A noite antes do Natal” (Twas the Night Before Christmas), nome do poema, e começa com Papai Noel se preparando para o grande dia. 

Santa Claus é interpretado pelo ator Harry Eytinge, e a descrição física correspondente à da representação atual.

As renas que aparecem se alimentando na véspera do Natal são de verdade, em uma época distante da computação gráfica.

As cenas do voo foram feitas com miniaturas e um fundo pintado. 

A história termina com final feliz: a alegria de uma família ao receber os presentes.

E um Papai Noel recompensado por ter cumprido sua missão, encerrando o filme com um sonoro “good night”. 

Uma boa lembrança dos tempos inocentes do Natal. 

Leia o poema que inspirou o primeiro filme com Papai Noel na íntegra (em tradução livre).

‘Twas the Night Before Christmas”, por Clement Clarke Moore

Era a noite antes do Natal, quando por toda a casa
Nenhuma criatura se mexia, nem mesmo um rato;
As meias foram penduradas na chaminé com cuidado,
Na esperança de que São Nicolau logo estaria lá;

As crianças estavam aconchegadas em suas camas,
Enquanto lembranças de doces dançavam em suas cabeças;
E mamãe em seu lenço, e eu em meu gorro,
Acabara de se acomodar para uma longa soneca de inverno,

Quando ouvi barulho no gramado,
pulei da cama para ver o que estava acontecendo.
Para longe da janela eu voei como um flash,
Abri as persianas e joguei o caixilho.

A lua na neve recém-caída
Deu o brilho do meio-dia aos objetos abaixo dela,
Quando, para meus olhos curiosos, o que deveria aparecer,
Mas um trenó em miniatura e oito minúsculas renas,

Com um motorista velho, tão animado e rápido,
eu soube em um momento que deveria ser St. Nick.
Mais rápidos que as águias, seus corcéis vieram,
E ele assobiou e gritou, e os chamou pelo nome;

“Agora, DASHER! agora, DANCER! agora, PRANCER e VIXEN!
Em frente, COMET! em CUPIDO! em DONNER e BLITZEN!
Para o topo da varanda! para o topo da parede!
Agora corra! corra! corra! corra! fora tudo!”

Como folhas secas que antes do furacão selvagem voam,
Quando encontram um obstáculo, sobem ao céu,
Assim até o topo da casa os corcéis voavam,
Com o trenó cheio de brinquedos, e São Nicolau também.

E então, num piscar de olhos, ouvi no telhado
O empinar e o bater de patas de cada pequenino casco.
Enquanto eu desenhava em minha mão e estava me virando,
São Nicolau desceu pela chaminé com um salto.

Ele estava todo vestido de peles, da cabeça aos pés,
e suas roupas estavam todas manchadas de cinzas e fuligem;
Uma trouxa de brinquedos ele jogou nas costas,
E parecia um mascate abrindo sua mochila.

Seus olhos – como eles brilhavam! suas covinhas que alegres!
Suas bochechas eram como rosas, seu nariz como uma cereja!
Sua boquinha divertida estava erguida como um arco,
E a barba em seu queixo era branca como a neve;

O toco de um cachimbo ele segurou apertado em seus dentes,
E a fumaça envolveu sua cabeça como uma coroa de flores;
Ele tinha um rosto largo e uma barriguinha redonda,
que tremia quando ele ria como uma tigela cheia de geléia.

Ele era gordinho e gorducho, um velho e alegre elfo,
E eu ri quando o vi, apesar de mim mesmo;
Uma piscadela de olho e um movimento de cabeça,
Logo me deu a entender que não tinha nada a temer;

Ele não falou uma palavra, mas foi direto ao seu trabalho,
E encheu todas as meias; então virou-se com um solavanco,
E pondo o dedo ao lado do nariz,
E dando um aceno de cabeça, ele subiu pela chaminé;

Ele saltou para seu trenó, para sua equipe deu um assobio,
E todos eles voaram como a penugem de um cardo.
Mas eu o ouvi exclamar, antes de sumir de vista,

FELIZ NATAL A TODOS E BOA NOITE A TODOS!

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.