Artistas jamaicanos estão criticando a proibição de conteúdos que “promovam atividades ilegais” no rádio e na TV imposta pelo governo da Jamaica na semana passada. 

A mudança foi anunciada pelo órgão de radiodifusão do país no dia 13 de outubro e lista temas específicos que não podem ser transmitidos em músicas e também outros conteúdos audiovisuais.

O cantor e produtor musical ganhador do Grammy Stephen McGregor, mais conhecido como Di Genius, foi um dos que condenou a medida, que tem o objetivo, segundo o governo, de manter as ondas de rádio “livres de conteúdo prejudicial”.

Jamaica diz que proibição de conteúdos é para proteger jovens

O Broadcasting Commission of Jamaica, órgão regulador de radiodifusão, justificou a iniciativa alegando que o “uso de ondas públicas para transmitir músicas que promovam/glorificam atividades ilegais pode dar a impressão errada de que a criminalidade é uma característica aceita da cultura e da sociedade jamaicana”.

Entre os conteúdos proibidos estão menções ao uso ilegal ou abuso de drogas, de armas de fogo e “qualquer outra forma de atividade ilegal ou criminosa”. 

Palavrões ou palavras “substitutas” a eles também estão banidos. O governo afirma que quer evitar que, “involuntariamente, se apoie o desengajamento moral e normalize ainda mais a criminalidade entre os jovens vulneráveis ​.”

Cordel Green, diretor executivo do órgão de radiodifusão, disse que a nova diretiva contempla um “amplo processo que inclui monitoramento focado, decodificação do dialeto da subcultura e gírias urbanas e deliberações sobre o equilíbrio da liberdade de expressão em relação à proteção de danos.”

“Parte da dificuldade em lidar com a música, principalmente aquela que emerge de uma subcultura, é que leva tempo para identificar, entender e verificar as gírias e a linguagem coloquial utilizadas”, afirmou.

“Compreensivelmente, novas línguas de rua podem levar algum tempo antes de serem normalizadas, ou seus significados se tornarem bem arraigados [na sociedade].

A Comissão também deve ser cautelosa em suas ações, sabendo que a atenção regulatória pode ter a consequência não intencional de expor e popularizar fenômenos subculturais.” 

O diretor ainda disse que a regulação de conteúdos sempre levará em conta o direito à liberdade de expressão, mas reforçou que “qualquer contexto em que a criminalidade seja apresentada através de música ou vídeos como um comportamento normal” haverá conflito com os “princípios da radiodifusão responsável.”

Artistas reagem à nova regra nas redes sociais

A medida do governo foi duramente criticada nas redes sociais. Principalmente porque, segundo a BBC, ela acontece num momento em que o país registra altos índices de crimes violentos.

Em 2021, a nação teve uma das maiores taxas de homicídios da América Latina e do Caribe, de acordo com o veículo.

“Embora eu entenda por que as pessoas se sentem assim e mesmo que eu não concorde com a glorificação de armas ou qualquer uso de qualquer droga, não podemos impedir os artistas de cantar sobre o que veem ao seu redor ou onde cresceram”, disse o produtor musical Romeich, no Instagram.

“A Jamaica tem um dos regulamentos mais rígidos contra a música, nossa própria música dancehall e o que deve ser tocado. Apple Music, Spotify, SoundCloud e outras plataformas onde as mesmas pessoas têm o mesmo acesso às mesmas músicas serão banidas?”, questionou.

“A Jamaica é o único país que tem crianças? Porque as mesmas crianças ouvem essas mesmas músicas em outros lugares.”

O cantor Stephen McGregor, conhecido como Di Genius, também questionou a medida nas redes sociais.

“O crime e a violência vão parar magicamente agora”, escreveu de forma irônica, no Twitter. “Na minha opinião, a mudança é mais um ‘olha, estamos fazendo algo’ do que realmente tentar fazer algo”, disse McGregor.

A nova regra não foi o primeiro ato de censura contra músicas na Jamaica. Em 2009, o governo promoveu canções que “promoviam” sexo, violência, assassinato ou incêndio criminoso.

Segundo a BBC, isso aconteceu no ápice da popularidade do daggering, estilo de dança sexualmente sugestiva que virou febre entre os jovens.

Direitos autorais reservados. Reprodução do conteúdo integral não autorizada. Reprodução do primeiro parágrafo autorizada desde que com link para a matéria original.